Início » Blog » Internação Involuntária de Dependente Químico em Clínica de Recuperação: Como Fazer e Quando Solicitar?

Internação Involuntária de Dependente Químico em Clínica de Recuperação: Como Fazer e Quando Solicitar?

Se você está procurando informações sobre internação involuntária de dependente químico em clínica de recuperação, é provável que esteja enfrentando uma situação delicada e difícil envolvendo um familiar.

IBOGA PLUS - Tratamento com Ibogaína

Sabemos que lidar com a dependência química não é fácil, mas é importante buscar ajuda especializada para garantir a recuperação do dependente e a segurança das pessoas ao seu redor.

Neste artigo, vamos falar sobre a internação involuntária de dependentes químicos, esclarecer as principais dúvidas sobre o assunto e apresentar informações relevantes para quem busca ajuda em uma clínica de recuperação.

O que é Internação Involuntária?

A internação involuntária é um procedimento que ocorre sem o consentimento do paciente, quando ele é considerado uma ameaça para si mesmo ou para outras pessoas.

No caso da dependência química, a internação involuntária pode ser indicada quando o dependente apresenta comportamentos de risco, como agressividade, automutilação, tentativas de suicídio ou quando não há mais opções de tratamento ambulatorial disponíveis.

A internação involuntária pode ser realizada em uma clínica de recuperação, hospital psiquiátrico ou outra instituição de saúde, por um período determinado por lei.

Lei da Internação Involuntária

A Lei nº 13.840, de 5 de junho de 2019, é uma legislação brasileira que trata da internação involuntária de dependentes químicos. Ela foi criada com o objetivo de regulamentar a internação involuntária, estabelecendo regras e diretrizes para garantir a segurança e os direitos dos pacientes.

A Lei nº 13.840 define a internação involuntária como aquela realizada sem o consentimento do dependente químico, a pedido de um familiar ou responsável legal, ou por determinação judicial. Ela deve ser realizada em um hospital geral ou em uma clínica de reabilitação autorizada pela Vigilância Sanitária e pelo Conselho Regional de Medicina.

Para que a internação involuntária seja realizada, é necessário que o dependente químico apresente sinais de comprometimento da sua capacidade de discernimento e de autodeterminação, bem como represente risco iminente para si mesmo ou para terceiros.

A Lei nº 13.840 também estabelece que a internação involuntária deve ser comunicada imediatamente ao Ministério Público, que deverá acompanhar o caso e fiscalizar a aplicação da lei. Além disso, a família ou o responsável legal do dependente químico deve ser informado sobre a internação e o seu estado de saúde.

A legislação ainda prevê que a internação involuntária terá prazo máximo de 90 dias, podendo ser prorrogada por mais 90 dias, desde que haja avaliação médica e decisão judicial favorável. Durante esse período, o dependente químico terá direito a tratamento médico adequado, respeito à sua integridade física e psicológica, e acesso a visitas de familiares e amigos.

A Lei nº 13.840 é considerada um marco na regulamentação da internação involuntária de dependentes químicos no Brasil.

Ela tem como objetivo garantir que a internação seja realizada de forma segura e humanizada, preservando os direitos e a dignidade dos pacientes.

Quando é indicada a Internação Involuntária?

A internação involuntária é indicada quando o dependente químico coloca a sua vida ou a vida de outras pessoas em risco. Isso inclui casos em que o dependente perdeu o controle sobre o uso de drogas, está tendo alucinações ou apresenta comportamentos agressivos.

Além disso, a internação involuntária também pode ser indicada quando o dependente se recusa a se submeter ao tratamento de forma voluntária ou quando os familiares não conseguem controlar a situação.

Qual o momento certo para a Internação Involuntária?

Qual o momento certo para a internação involuntária?

A internação involuntária é indicada quando o dependente químico apresenta um alto grau de dependência e não tem mais capacidade de discernimento ou decisão, representando risco iminente para si mesmo ou para terceiros.

Geralmente, o momento certo para realizar uma internação involuntária é quando o dependente químico se recusa a buscar tratamento voluntariamente e coloca a sua vida e a de outras pessoas em risco.

Nesses casos, a internação involuntária é considerada um último recurso para garantir a segurança e a saúde do paciente, e deve ser realizada com o acompanhamento de uma equipe médica qualificada e respeitando todos os procedimentos legais.

É importante lembrar que a decisão de realizar uma internação involuntária deve ser cuidadosamente avaliada e discutida com a família e os profissionais de saúde envolvidos no tratamento do paciente.

Como é feita a Internação Involuntária?

A internação involuntária só pode ser realizada por um médico devidamente registrado no Conselho Regional de Medicina (CRM).

Após a avaliação médica, o dependente químico é encaminhado para a clínica de recuperação ou instituição de saúde escolhida para a internação. Nesse momento, a família deve apresentar um documento que comprove a relação de parentesco ou responsabilidade sobre o paciente.

Quanto tempo dura a Internação Involuntária em uma Clínica de Recuperação?

De acordo com a lei brasileira, a internação involuntária deve ser realizada por um período máximo de 90 dias. Durante esse período, o dependente químico é submetido a um tratamento multidisciplinar que inclui terapia individual e em grupo, atividades físicas, alimentação saudável e, se necessário, medicação.

Quais são os direitos do dependente químico internado involuntariamente?

Mesmo que a internação seja involuntária, o dependente químico internado tem direitos assegurados por lei. Entre eles estão:

  • Direito a um tratamento digno e respeitoso, sem qualquer tipo de violência, punição ou discriminação;
  • Direito a visitas de familiares e amigos, desde que autorizadas pela equipe médica responsável pela internação;
  • Direito a receber informações sobre o tratamento, o seu estado de saúde e as possibilidades de alta;
  • Direito a pedir a interrupção da internação a qualquer momento, desde que a equipe médica responsável considere que não há mais risco para o dependente e para outras pessoas.

Internação involuntária em Clínica de Recuperação: Como escolher a melhor opção?

Internação Involuntária em Clínica de Recuperação

A escolha da clínica de recuperação para a internação involuntária deve ser feita com cuidado, levando em consideração vários fatores, como a qualidade do tratamento oferecido, a experiência da equipe médica, a estrutura da instituição e o valor cobrado.

Algumas dicas para escolher a melhor opção são:

  • Pesquisar sobre a reputação da clínica de recuperação na internet, lendo avaliações e depoimentos de outros pacientes e familiares;
  • Verificar se a clínica possui autorização da Vigilância Sanitária e do Conselho Regional de Medicina;
  • Conhecer a equipe médica responsável pela internação, verificando a formação e experiência dos profissionais;
  • Avaliar a estrutura da clínica, verificando se há quartos individuais, áreas de lazer, espaços para atividades físicas e terapias alternativas;
  • Comparar os preços praticados por diferentes clínicas de recuperação, levando em consideração a qualidade do tratamento oferecido.

Depois da Internação: Como continuar o Tratamento?

A internação involuntária é apenas o primeiro passo para a recuperação do dependente químico. Após o período de internação, é importante que o dependente continue o tratamento, seja em regime ambulatorial ou em uma comunidade terapêutica.

O acompanhamento médico e psicológico deve ser contínuo, e a família deve estar presente para oferecer apoio e incentivar a participação em grupos de apoio, como o Alcoólicos Anônimos e o Narcóticos Anônimos.

Também é importante que o dependente tenha um ambiente seguro e livre de drogas para continuar a sua recuperação. Para isso, a família deve estar disposta a mudar hábitos e a criar um ambiente positivo e acolhedor para o dependente.

Conclusão

A internação involuntária é uma medida extrema, mas muitas vezes necessária, para garantir a segurança e a saúde do dependente químico.

É importante lembrar que a internação involuntária só pode ser realizada com autorização judicial ou laudo médico e seguindo todos os procedimentos legais previstos na Lei nº 13.840, de 2019.

Além disso, é fundamental escolher uma clínica de recuperação confiável e que ofereça um tratamento multidisciplinar e individualizado.

A dependência química é uma doença complexa que afeta não apenas o dependente, mas também sua família e a sociedade em geral. Por isso, é essencial que todos se unam para oferecer o melhor tratamento possível e ajudar o dependente a retomar sua vida de forma saudável e feliz.

Perguntas Frequentes sobre Internação Involuntária em Clínica de Recuperação

O que é internação involuntária?

A internação involuntária é uma medida de tratamento para dependentes químicos que não têm mais capacidade de discernimento ou decisão e representam risco iminente para si mesmos ou para terceiros. Ela é realizada sem o consentimento do paciente, com o objetivo de garantir a sua segurança e a sua saúde.

Como funciona a internação involuntária?

A internação involuntária funciona da mesma forma que a internação voluntária, com a diferença de que o paciente é internado contra a sua vontade. Ela deve ser realizada em uma clínica de recuperação especializada, com acompanhamento médico e psicológico, e pode durar de 90 a 180 dias.

Como pedir internação involuntária?

A internação involuntária só pode ser solicitada por um médico, por um psicólogo, por um assistente social ou por um familiar do dependente químico. É preciso apresentar uma documentação que comprove a necessidade da internação e seguir todos os procedimentos legais previstos na Lei nº 13.840, de 2019.

Quem pode fazer internação involuntária?

A internação involuntária pode ser solicitada por um médico, por um psicólogo, por um assistente social ou por um familiar do dependente químico. É importante lembrar que a internação involuntária só pode ser realizada em casos de extrema necessidade, quando o paciente não tem mais capacidade de discernimento ou decisão.

Internação involuntária é ilegal?

A internação involuntária é legal desde que seja realizada de acordo com os procedimentos previstos na Lei nº 13.840, de 2019. É importante lembrar que a internação involuntária só pode ser realizada em casos de extrema necessidade e com autorização judicial.

Quais são as clínicas que realizam internação involuntária?

Existem diversas clínicas de recuperação especializadas em internação involuntária em todo o país. É importante escolher uma clínica de confiança, que tenha uma equipe qualificada e que siga todos os procedimentos legais.

O que é necessário para realizar a internação involuntária de um dependente químico?

Para realizar a internação involuntária de um dependente químico, é necessário apresentar uma documentação que comprove a necessidade da internação, como um laudo médico ou uma avaliação psicológica. Além disso, é preciso seguir todos os procedimentos legais previstos na Lei nº 13.840, de 2019.

A internação involuntária é a única opção?

A internação involuntária não é a única opção de tratamento para dependentes químicos. Existem outras formas de tratamento, como a internação voluntária, o tratamento ambulatorial e as terapias em grupo. O tipo de tratamento mais indicado depende das condições de saúde do paciente e das características da dependência química.

internação involuntária sem o consentimento da família?

A legislação brasileira determina que, para realizar uma internação involuntária, é necessário apresentar uma documentação que comprove a necessidade da internação, como um laudo médico ou uma avaliação psicológica. Além disso, é preciso seguir todos os procedimentos legais previstos na Lei nº 13.840, de 2019, e obter autorização judicial. Embora a família possa ser importante na tomada de decisão e acompanhamento do processo, a autorização para a internação involuntária não depende necessariamente do consentimento da família.

O que achou deste Artigo?

Blog | Dependência Química

| | |

12 comentários em “Internação Involuntária de Dependente Químico em Clínica de Recuperação: Como Fazer e Quando Solicitar?”

    1. Discordo totalmente! A internação involuntária é necessária em casos extremos para proteger o paciente e outros. Direitos humanos não podem se sobrepor à segurança e bem-estar das pessoas. #OpiniãoDivergente

    1. Depende da situação e dos critérios utilizados. A internação involuntária pode ser uma medida necessária para proteger a vida de alguém em situação de risco extremo. No entanto, é fundamental garantir que os direitos e a dignidade dos indivíduos sejam respeitados durante todo o processo.

  1. Neli Barbosa da Silva

    Acredito que a internação involuntária pode ser um recurso importante, mas não deve ser a primeira opção. Antes, é preciso esgotar todas as possibilidades de tratamento voluntário.

  2. Salete Guimarães

    Concordo que a internação involuntária pode ser necessária, mas como garantimos que não será usada como uma forma de controle social? A linha é tênue, precisamos de mais discussão sobre isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.